TOP
Bélgica Viajando Sozinho

“Como ser Au Pair na Bélgica – Parte I”

Como ser Au Pair na Bélgica

Hoje tive um papo top, com a Christine Alves de 25 anos. Que saiu de Niterói no RJ e foi ser Au Pair na Bélgica. Ela passou por diversas dificuldades e, por conta disso, deu muitas dicas para novas Au Pairs não cometerem os mesmos erros e irem muito mais preparadas.

Dá uma olhada no vídeo da na nossa entrevista abaixo:

 

O QUE FAZIA ANTES DE MORAR FORA?

Christine havia concluído a faculdade de História da Arte no Rio de Janeiro. Ela conta que passou a graduação inteira estudando e ouvindo falar sobre diversos artistas e obras européias, mas que não tinha nenhum contato com físico os assuntos abordados.

Ela explica que sempre sonhou em viajar de férias para Europa. Queria sentir um pouco do gostinho de todas as maravilhas que estava estudando.

Como ser Au Pair na Bélgica

 

POR QUE MORAR FORA?

Christine não lembra em que momento de sua vida surgiu a vontade de morar fora. Ela lembra, que o primeiro contato que teve com o programa de Au Pair foi no ensino médio, quando recebeu um panfleto sobre o intercâmbio, mas tinha apenas 16 anos.

Ela pensava ser loucura ir para o exterior cuidar de criança. Até que, quando faltava um ano para completar a faculdade, se viu em vários grupos de Au Pair no facebook para entender melhor sobre o programa.

 

O QUE É AU PAIR?

Au Pair é um intercâmbio remunerado para quem gosta de crianças. É uma mistura de babá com irmã mais velha onde a principal função é cuidar dos filhos da família estrangeira que a receberá em sua casa (“host family“).

Diferente da babá, a Au Pair trabalha no mesmo local onde mora. Porém, assim como uma babá, a Au Pair terá que brincar, levar e buscar na escola, dar banho, cozinhar, dar comida, entre outras atividades relacionada as crianças.

 

PORQUE ESCOLHEU GENT NA BELGICA?

Sua primeira opção sempre foi Holanda. Achava o máximo por ser um país pequeno que dava para andar de bicicleta para todo lado. Em suas buscas, conta que encontrou uma “host family” na Bélgica e essa passou a ser sua segunda opção!

“Era uma segunda opção com chocolate, batata frita e cerveja, não tinha como ser ruim.”

Como ser Au Pair na Bélgica

 

PRÉ REQUISITOS PARA SER AU PAIR NA BÉLGICA

Abaixo alguns dos principais pré requisitos para ser Au Pair na Belgica:

  • Ter entre 18 e 25 anos;
  • Ter um conhecimento básico de pelo menos uma das 3 línguas oficiais do país: francês, alemão ou holandês;
  • Ensino médio completo;
  • Passaporte válido por 1 ano;
  • Gostar de trabalhar com crianças.

 

COMO FOI O PROCESSO ATÉ CHEGAR LÁ?

Seu primeiro passo foi entrar em grupos de Au Pair no facebook para se informar melhor sobre o programa.

Christine explica, que cada país e local tem uma regra especifica. Por isso, vale a pena entrar direto no grupo do local para onde quer ir e conversar com pessoas que já viveram ou estão vivendo essa experiência.

“As pessoas pensam que por ser união européia todos os países tem a mesma regra, mas não é assim que funciona.”

ESCOLHA DA AGENCIA

Christine optou por não ir através de uma agencia. Fez todo o processo sozinha.

Ela explica, que existe um site muito famoso chamado Au Pair World, que nada mais é do que um facebook para Au Pairs. Nele, a candidata a Au Pair cria um perfil, descreve suas qualidades e procura uma “host family” em busca de um “mach” (quando a Au Pair gosta da familia e a familia gosta da Au Pair).

Em suas buscas, viu que ir através de uma agencia não é uma obrigação na Bélgica. Além disso, viu que muitas agencias de lá não dão o devido suporte, só fazem o “match” através desse site que é de graça.

Se ela não se engana, diz que há uma agencia no Brasil que dá suporte a Bélgica. Naquele momento, achou que não valia a pena pagar para uma agencia onde a representante na Bélgica seria de graça.

“Eu vi muitas pessoas fazendo desta forma e me senti capaz de fazer também”

Como ser Au Pair na Bélgica

 

CUSTOS DO PROCESSO DE AU PAIR NA BÉLGICA

Christine conta, que quando decidiu que seria Au Pair não quis gastar dinheiro com mais nada que não fosse o programa.

No total ela explica que gastou bem menos que BRL R$ 5.000 para tudo, mas diz que com esse valor dá para ir bem confortável. Abaixo um lista com seus gastos:

  • Passagem: EUR €500 (com o Euro a BRL R$3,86, pagou BRL R$1.930). A “host family” reembolsou esse valor assim que ela chegou em Gent, mas explica que na Bélgica não existe uma regra em que a família tenha obrigação de pagar a passagem, é importante acordar tudo antes.
  • Tradução de documento: mais ou menos EUR €50 por página (com o Euro a BRL R$3,86, pagou BRL R$193)
  • Troca visto turista para de Au Pair na Bélgica: EUR €200 (com o Euro a BRL R$3,86, pagou BRL R$772)
  • Identidade: EUR €25 identidade (com o Euro a BRL R$3,86, pagou BRL R$96)

Em Gent, ela conta que é possível, e mais barato, ir como turista e chegando lá fazer o processo para visto de Au Pair, mas não aconselha ninguém a fazer isso.

 

MORANDO FORA

Quando perguntada por meninas que querem fazer o programa de Au Pair na Bélgica, Christine aconselha a todas para não irem como turistas, pois conta que foi ludibriada pela “host family.

VISTO TURISTA

A regra para ser Au Pair na Bélgica, muda de região para região. Em Gent é possível ir como turista, mas em Bruges e Bruxelas pode ser diferente. Pelo que Christine ja viu até hoje, na Valonia não é permitido ir como turista e depois mudar o status para Au Pair, mas em Flanders é permitido.

Segundo ela, o mais importante é confiar na “host family, pois é preciso, e muito importante, que eles vão a prefeitura perguntar qual tipo de documentação é necessária para troca de visto. Desta forma,  a Au Pair já sai do Brasil com tudo que for necessário.

Christine explica, que acontece muito de meninas levarem o que acham ser necessário e, quando chegam na Bélgica, a prefeitura pede vários outros documentos que ficaram no Brasil.

Ela conta que ter ido como turista trouxe muitos problemas e dificuldades, por isso não aconselha ninguém a sair do Brasil desta forma. Por mais que as vezes demore um pouco, ela indica que a Au Pair busque uma “host family” que faça o processo para o visto de Au Pair desde o Brasil.

“Fé no pai que o match vem. A Europa estava te esperando desde antes de você nascer e ela vai continuar lá”

Como ser Au Pair na Bélgica

PRIMEIRA “HOST FAMILY”

O “match” de Christine foi com uma “host family” na Bélgica que, segundo ela, parecia boa demais para ser verdade. Eles pediram para que ela fosse como turista pois precisavam de uma pessoa com urgência e informaram que por serem  médicos ela não teria necessidade de fazer um exame exigido para Au Pairs que, no Brasil, custa BRL R$300.

A “host family” descreveu que o trabalho era apenas organizar um pouco a vida de dois adolescentes e explicaram que, quando ela chegasse, eles regulamentariam sua situação para de Au Pair. Como Christine já conhecia muitos casos de meninas que foram desta forma e a “host family” enviou uma carta convite, ela achou que seria um boa opção.

Ela conta que além de ter sido enrolada em relação a documentação, foi também enganada em relação a quantidade de horas que seriam trabalhadas.

Christine explica, que conversou com algumas Au Pairs que a antecederam nesta “host family e todas haviam falado bem do programa. Porém, tempos depois, ela conversou com uma dessas Au Pairs sobre tudo que estava passando e a menina disse que ficou com medo de contar o que passou e Christine desistir de seguir com o intercâmbio que, apesar da família, foi maravilhoso.

“Nesse dia eu descobri que não existe atalho.”

Christine viu que a situação não estava indo nada bem e decidiu sair desta casa. Ao comunicar a “host family” eles disseram que ela teria que sair no dia que eles determinassem ou não receberia o pagamento. Ela saiu no dia combinado e mesmo assim eles não pagaram.

“Faça amigos, para ter onde ficar nessas horas de dificuldade. Por que ai é só pegar o computador e buscar uma nova família”

O QUE ACONTECEU DEPOIS DE SUA SAIDA?

Christine, foi para casa de uma amiga que fez por lá e começou a buscar uma nova família. Em paralelo, ficou sabendo de uma ONG chamada OR.C.A, que ajuda de empregadas domesticas e de Au Pairs, em qualquer situação, legais ou não.

Ela chegou a ir a ONG, mas contou que devido a regra de Au Pair na Bélgica, não ser muito bem definida e regulamentada, não havia muito o que fazer.

Contou também, que devido as autoridades desconfiarem de que algo poderia estar acontecendo, foi enviado uma investigadora a sua casa. A própria investigadora aconselhou que ela não chamasse a polícia e não entrasse com nenhum processo contra a família.

Cheguei a questiona-la em relação as agencias se, por conta do problema, ela acha que ir por uma agencia teria sido a melhor opção, mas Christine diz que não.

Segundo ela, a própria ONG informou que as agencias na Bélgica não tem nenhuma regulamentação e por isso, não tem muita credibilidade. Explicou que já viu de tudo, meninas que passaram por problemas e tiveram a assistência da agencia, e meninas que passaram pelo mesmo tipo de dificuldade e a mesma agencia não quis fazer absolutamente nada para ajudar.

Christine acredita que uma boa opção seja ir através de agencias gratuitas, que cobram o serviço das famílias e não das Au Pairs. Em sua visão, as agencias pagas e gratuitas tem como principais clientes as “host families” e, por isso, na hora da dificuldade eles acabam optando por acreditar em quem está pagando.

“Quem paga é que escolhe a banda para tocar.”

Como ser Au Pair na Bélgica

SEGUNDA “HOST FAMILY”

Durante toda a confusão, Christine não parou nem um minuto de buscar uma nova família. Acabou tendo alguns “matchs” mas, segundo ela, estava mais exigente por conta da lei Belga que só permite que a Au Pair tenha duas famílias. Ou seja, se a Au Pair não gostar da segunda família também só há três opções:

  • Continuar com a nova família;
  • Voltar para o Brasil;
  • Denunciar: mas Christine explica que ninguém se arrisca a ir para corte contra uma família Belga.

Christine queria muito continuar em Gent mas não estava encontrando nenhuma “host family“. Ela então, começou a buscar por famílias que queriam Au Pairs de nacionalidades específicas, diferentes das brasileiras.

Na descrição de uma família estava “apenas Filipinas”. Christine viu aquilo mas decidiu enviar uma mensagem. Como moravam perto, a convidaram para ir até a casa bater um papo. Chegando lá, a conversa foi ótima e ela amou as crianças. Ela conseguiu, enfim, encontrar um novo lugar e regularizar sua documentação.

“Nunca imaginei que me apaixonaria tanto por uma criança que não fosse minha.”

A única dificuldade que teve foi a comunicação com as crianças, pois eles não falavam nada de inglês. Mas diz que teve sorte pois já havia feito o nível básico de Holandês, então não foi tão ruim assim.

Eles foram maravilhosos, ela se sentiu muito acolhida. Diz que eles só não eram perfeitos, porque não existe família perfeita, mas não os trocaria por família nenhuma.

Christine contou que sempre se sentiu muito a vontade e explica que vai muito da personalidade de cada um. Ela amava o fato da “host family” não a obrigar a ir aos programas de família. Ela só fazia o que se sentia a vontade.

Como ser Au Pair na Bélgica

SALARIO DE AU PAIR NA BÉLGICA

Christine explicou que o salário mínimo de um Au Pair na Bélgica são EUR €450 por mês. Mas avisa que apesar do salário ser maior do que na mioria dos países Europeus, o custo de vida é alto.

O salário mínimo na Bélgica é EUR €1300 euros. Por isso, ela explica que, Au Pair é e sempre foi uma forma muito barata de se ter uma babá. Além de receber no mínimo EUR €1300 euros, a babá não dorme e ainda tem férias e impostos a serem pagos.

Christine conta, que a lei para Au Pair é tão ruim, que por não receberem o salário mínimo e não trabalham o mínimo de horas de um emprego normal (30 horas), a Au Pair na Bélgica não tem direito a férias.

Por isso, ela dá como dica acordar com as famílias antes. Já sair do Brasil com as férias combinadas. O que pode acontecer é a familia já ter férias e acordar de todo undo tirar ferias na mesma semana.

Como ser Au Pair na Bélgica

 

RELACIONAMENTO

Christine relata que não tinha muito contato com meninos. Neste meio de Au Pair tem muito mais mulher do que homem. Por isso, acabou dando uma chance a um aplicativo de relacionamento chamado “OkCupid“. E foi neste aplicativo que ela conheceu Christophe.

Devido a Christophe já ter namorado a distancia, tinha um pouco de medo do momento em que ela tivesse que retornar ao Brasil. Vendo que já estava apaixonada, Christine decidiu que, ou eles namoravam ou ela seguia com a sua vida. Não queria que ele a cozinhasse.

“Vamos deixar para decidir quando estiver perto de eu ir embora?”

Ela conta que quando chegou por lá andava com uma mexicana e uma filipina, e todas as três entraram em aplicativos e começaram a namorar um belga.

Como já era de se esperar, mais ou menos um ano após o início do namoro, Christine estava no final de seu programa de Au Pair e tinha duas opções:

  • Voltar para o Brasil;
  • Buscar uma “host family” em outro país próximo.

Neste momento, ela conta que surgiu uma crise em seu relacionamento. Como era de se esperar, os dois estavam apaixonados e não queriam se separar.

No meio desta situação, acabaram escolhendo uma terceira opção que foi fazer a união estável. Desta forma Christine teria o visto de “partner” (parceira), e poderia ficar na Bélgica.

O que eles não sabiam, era que para fazer a união estável precisaria de dois anos de relacionamento e eles tinham apenas um. Acabaram optando pela quarta opção, se casar!

Christine conta que o mais engraçado nesta história é que suas duas amigas também se casaram com um belga.

Como ser Au Pair na Bélgica

 

Estão gostando da entrevista com a Christine? Dá uma olhadinha na segunda parte, onde ela conta sobre o casamento e como está fazendo para se inserir na cultura Belga! 

 

Se você curtiu essa entrevista, compartilhe nas redes sociais e marque seus amigos. =)
«
»

1 COMMENT

  • Sabrine on julho 24, 2017

    Olá, muito legal a história. Tenho 30 anos e completo 31 este ano. Planejo ir p Begica, Liege agora em maio. Li que alguns países aceitam até 30.
    Você sabe de casos de au pair com mais de 30? Teria alguma sugestão do que fazer no país após os 30 que me garantisse um visto sem ser o de turista?

    Reply

what do you think?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *