TOP
Canadá Viajando em Família

“Ensino Superior no Canadá: Processo, Benefícios e muito mais 👨🏻‍🎓🇨🇦”

Ensino Superior no Canadá: Processo, Benefícios e muito mais

A entrevista de hoje é com o Thiago e a Juliana que saíram do Rio de Janeiro há 8 meses, com seus dois filhos Lucas e Henrique, e foram morar em Richmond, cidade próxima a Vancouver. Eles foram através do visto para estudantes de ensino superior no Canadá e vão explicar para a gente como foi o processo, os direitos e deveres do aluno e de seus dependentes e diversas outras dicas para quem quer seguir o mesmo caminho.

Confira abaixo o vídeo da nossa entrevista sobre ensino superior no Canadá:

Se preferir a leitura, abaixo todo o conteúdo e links da nossa conversa.

 

VIDA ANTES DE MORAR FORA

Juliana conta que, no Rio de Janeiro, ela era fotógrafa e o Thiago trabalhava em uma empresa de óleo e gás. Ela explica que eles levavam uma vida confortável e financeiramente tranquila.

“Não tinha luxo mas também não faltava nada.”

Apesar do lado profissional estar super bem, não foi isso que motivou a mudança do casal.

Segundo Thiago a violência do Rio os incomodava muito. Eles contam que já não conseguiam imaginar seus filhos, de nove e seis anos, crescendo em meio a tanta insegurança.

“Com tudo que a gente via acontecendo no Rio e sem perspectiva de melhora a curto e longo prazo, a gente decidiu reiniciar nossas vidas no Canadá.”

 

O DESPERTAR PARA MORAR NO CANADÁ

Thiago conta que em seu primeiro ano de relacionamento com Juliana, há 18 anos, ela fez um intercâmbio para fora do Brasil. Assim que retornou, Juliana veio com a ideia de morar fora e Thiago diz que sempre foi contra.

“Eu nunca tive essa vontade.”

Porém, 14 anos depois, ele relata que surgiu uma proposta de trabalho no exterior através da empresa que trabalhava. No entanto, apesar de ter gostado da ideia, a proposta não foi a frente por conta da crise.

Vendo o interesse do Thiago em morar fora, Juliana viu uma abertura para insistir neste projeto que sempre foi uns de seus grandes sonhos.

Para facilitar, ela não estava sozinha. Alguns amigos do casal também estavam iniciando o processo para ir morar no Canadá. O que acabou ajudando na troca de informações e no suporte para dar início a essa mudança.

Ensino Superior no Canadá: Processo, Benefícios e muito mais

COMO MORAR NO CANADÁ?

Analisando todas as possibilidades, o casal escolheu a opção onde Thiago iria estudar em um College por dois anos. Neste cenário, Juliana, Lucas e Henrique, poderiam ir como seus dependentes.

Segundo Juliana, essa era a melhor opção para a família. Pois, eles teriam direito a permanecer cerca de 5 anos no país.

  • 2 anos de curso;
  • 3 anos de trabalho integral especializado.

Ela explica que Thiago foi com visto de estudo preenchendo todos os requisitos necessários para aplicar ao final do curso para o PGWP (Post-Graduation Work Permit).

Ou seja, após Thiago se graduar, ele tem direito a trabalhar em legalmente e em período integral por lá.

Ela explica que, hoje, o aluno que faz um curso de 2 anos, pode ganhar até 3 anos de PGWP. O que daria os 5 anos de permanência para a família morar legalmente no Canadá.

 

DETALHES DO ENSINO SUPERIOR NO CANADÁ

Abaixo as informações do curso fornecidos por Thiago:

  • CURSO: Pós Graduação em “Supply Chain (Cadeia de Suprimentos)
  • FACULDADELangara College
  • GRADE: Fechada – Não é possível definir a grade de estudos.
  • VALOR: 24 mil dólares canadenses para os dois anos de curso.

 

O PROCESSO

Thiago conta que teve que passar por algumas etapas e cumprir alguns requisitos para ser aceito e poder requerer ao visto:

  1. Comprovar proficiência em Inglês através da prova do IELTS;
  2. Fazer a matrícula;
  3. Receber a carta de aceitação da faculdade (carta LOA – Letter of Acceptance);
  4. Dar entrada no visto

Segundo Juliana, na época em que eles aplicaram, o visto de estudo estava demorando cerca de 2 meses para sair, porém o deles saiu em 3 meses.

O casal explica que cada caso é um caso e a legislação para assuntos de imigração para o Canadá está em constante mudança. Por isso, Juliana e Thiago indicam se consultar com um especialista ou acessar o site do consulado canadense.

 

DIREITOS DESTE TIPO DE VISTO

Como Thiago optou por fazer um curso de dois anos em período integral através de uma faculdade de fundos públicos, ele e sua família têm alguns benefícios concedidos pelo visto:

  • os filhos do casal podem estudar em uma escola pública gratuitamente;
  • Thiago pode trabalhar até 20 horas semanais;
  • Juliana pode trabalhar 40 horas semanais pois aplicou para o visto “Open Work Permant”.

Além disso, como já citado acima, após o final do curso Thiago tem direito a requerer ao PGWP e trabalhar legalmente por 3 anos em período integral.

Com isso em mente e o visto em mãos, a família partiu para o Canadá.

 

ADAPTAÇÃO AO CANADÁ

Juliana diz que não tem nada a reclamar.

Segundo ela, a vida no Canadá é muito mais tranquilaAbaixo, alguns aspectos citados por eles para essa melhora na qualidade de vida:

  • segurança;
  • muitas opções de lazer ao ar livre pela cidade;
  • os dias são mais longos no verão – o sol se põe às 22h.
  • horário comercial reduzido – de 08h30 às 16h30 – o que dá mais tempo para eles ficarem com as crianças.

“16h30 você está livre, você curte sua vida.”

ALUGANDO UM LOCAL PARA MORAR

Já sabendo a dificuldade que é encontrar um apartamento por lá, Juliana e Thiago definiram ainda do Brasil onde iam morar.

“O mercado imobiliário de Vancouver é ‘punk’, a casa está para alugar em um dia, no dia seguinte não tem mais.”

Por conta das crianças, acharam melhor já ter um local definido quando chegassem.

Segundo o casal, isso foi possível através da empresa “Bed4student. Que, nada mais foi, do que um intermediário entre eles e o locador canadense.

Juliana explica que a empresa funciona como uma referência. E, conta que os locadores se sentem mais confortáveis em negociar com uma empresa de lá do que direto com um estrangeiro.

Eles relatam que pagaram 500 dólares canadenses pela consultoria e ficaram muito satisfeitos com o resultado.

Ao chegar no Canadá, perceberam que existem outras empresas que prestam o mesmo serviço, e deu como exemplo a “Van Sweet Home“. Como dica, disseram para analisar todas as possibilidade e ver qual atende melhor o seu perfil.

COMO FUNCIONA

Thiago explica que o primeiro contato foi através de uma vídeo conferência por Skype para que os consultores pudessem entender qual tipo de moradia eles estavam procurando:

  • Valor que estavam dispostos a pagar;
  • Estilo de apartamento que queriam;
  • Qual era a preferência pela quantidade de quartos;
  • Entender se haviam crianças na família e a idade delas;
  • Saber se havia animais de estimação;

Conforme ficou determinado, eles iniciaram as buscas por um local para a família morar.

Juliana explica que, quando eles encontravam algo dentro do que ficou definido, eles visitavam o local e filmavam cada cômodo para que ela e Thiago pudessem ver se estava de acordo com o que queriam.

Assim que deram o ok para um local, Thiago diz que foi só assinar o contrato e estava tudo certo.

 

ARRUMANDO EMPREGO NO CANADÁ

Devido ao período de trabalho permitido para Juliana e Thiago, cada um teve uma experiência diferente neste tópico.

JULIANA – 40 HORAS SEMANAIS

Juliana conta que não teve grandes dificuldades.

Por ter um visto que permite trabalhar em período integral, ela diz que encontrar um emprego é relativamente fácil. Porém, recomenda ter em mente que, talvez, seu primeiro cargo seja um pouco abaixo do que o que você vinha desempenhando no Brasil.

Segundo Juliana, por lá, você perde suas referências pois a dinâmica do país é outra. Em sua opinião, o seu passado é apagado e você tem que começar tudo de novo, como se fosse seu primeiro emprego.

“Chegando aqui, sua faculdade não significa nada para seu empregador, pois ele não conhece.”

Ela relata que, logo que chegou, conseguiu um emprego em uma empresa de brasileiros na área de marketing. Hoje, ela conta que já mudou de trabalho e está em uma empresa pública.

THIAGO – 20 HORAS SEMANAIS

Thiago conta que o caso dele é um pouco diferente devido às limitações do visto de estudo:

  • permissão para trabalhar apenas 20h semanais;
  • curso de grade fechada.

Segundo ele, algumas faculdades são mais flexíveis e permitem ao aluno estudar a noite para trabalhar durante o dia.  Mas, esse não é o seu caso.

Apesar de todas as barreiras, ele explica que buscou um emprego relacionado ao que vem estudando no College para criar vínculos profissionais no país.

“É muito importante ter uma experiência canadense para criar referências.”

Thiago conta que trabalhou por 3 meses em um Armazém para entender a dinâmica dos processos, que são muito diferentes do que estava acostumado no Brasil. Mas, hoje, ele trabalha meio período em uma loja por ser um emprego mais flexível.

Ele reforça o que a Juliana falou em relação a ter uma mente aberta para arranjar um emprego. Pois, para ele, nem sempre é possível encontrar algo no mesmo nível que vinha desempenhando no Brasil.

“Se você vier com a mente de que eu não quero e não vou me rebaixar para trabalho com isso, vai ser difícil me realocar.”

Porém, discorda da ideia de que seu passado é inteiramente apagado. Segundo ele, as experiências ajudam na hora de criar referências.

Ele explica que, por lá, percebe que a grande maioria das vagas são preenchidas através de indicações. Por isso, dá algumas dicas para quem está buscando um emprego hoje por lá:

  • Manter um bom contato com os professores, pois eles podem ser suas referências;
  • Fazer “meetups”, encontros profissionais com pessoas da mesma área de atuação;
  • Manter o LinkedIn atualizado em inglês e, se possível, com depoimentos de pessoas que já trabalharam com você;
  • Criar um currículo específico para cada vaga;
  • Criar uma “cover letter” (página resumo) para cada currículo.

 

DIA A DIA DA FAMÍLIA

Para relatar sua trajetória e vida fora, Juliana criou o Instagram Arroz com Feijão no Canadá.

Ela conta que a ideia surgiu através da vontade de mostrar para as pessoas todo o seu processo de ida para lá

No primeiro momento, ela relata que abordou assuntos como:

  • Preparação para o IELTS;
  • Preparativos;
  • Venda do carro;
  • Como arrumaram as malas;

Hoje, Juliana explica que mostra como é o dia a dia de sua família no Canadá com o objetivo de ajudar a novos viajantes a entender melhor como é a vida fora.

CONSELHO PARA QUEM QUER MORAR NO CANADÁ

Depois de todo o processo e de, hoje, estarem há 8 meses no Canadá, Juliana e Thiago dão duas dicas importantes para quem está pensando em morar por lá.

SE PLANEJA!

Juliana explica que um bom planejamento financeiro faz diferença.

Ela conta que se planejou muito e ficou muito tempo fazendo de tudo para esse projeto dar certo. No entanto, quando chegou lá, percebeu que os gastos são muito maiores do que o esperado.

“Mobiliar uma casa e se manter no dia a dia não é fácil.”

Segundo Juliana, mesmo ela trabalhando em período integral e o Thiago em um de meio período, eles ainda não ganham o suficiente para pagar todas as contas. Eles utilizam parte de suas economias para complementar a renda da família.

Por isso, ela indica não subestimar os gastos da vida no Canadá e se planejar bastante ou, até mesmo, postergar sua ida caso você não tenha juntado “aquele pé de meia”.

“Ainda não dá para ir, melhor prorrogar esse prazo para o ano que vem.”

IR COM A MENTE ABERTA

Como é um recomeço, Thiago explica que o padrão da família teve que cair, para aos poucos ir se estabilizando.

Apesar de não ganharem o mesmo salário que ganhavam no Brasil, a família nunca passou nenhum tipo de necessidade por lá e a qualidade de vida melhorou muito.

Segundo Tiago, a decisão de ir morar no Canadá foi para que eles vivessem com mais segurança, o que estava complicado no Rio de Janeiro.

“A gente tinha dinheiro, tinha amigos por perto, família, mas a gente não tinha segurança.”

Ele explica que, se você for com a cabeça de que no início você não terá o mesmo nível de emprego e terá que abrir mão de algumas regalias para priorizar sua qualidade de vida e da sua família, sua jornada fora será mais fácil.

“Vindo com esse pensamento, qualquer um consegue vir para cá.”

Gostou da entrevista? Então, fica de olho no Bora Morar Fora, pois o Thiago e a Juliana contaram como foi a adaptação de seus filhos por lá. Vai lá, curta a nossa página do Bora Morar Fora no Facebook e se inscrever no Canal do Youtube para ser avisado sempre que as novidades saírem. =)

E não se esqueça! Eu ainda ofereço um e-book GRATUITO sobre “Os 7 maiores mitos que te impedem de ir morar fora“, clique aqui para baixar o seu.

Tags:     

«
»

what do you think?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *