TOP
Portugal Viajando em Família

“Por que morar em Portugal significa reduzir custos? 💰”

MORAR com ADOLESCENTES em PORTUGAL: Custo de Vida

Neste bate-papo com a Mic, do site Aisenbergsporai, ela conta o porquê, para ela, ir morar em Portugal significa REDUZIR CUSTOS. Mic fala sobre sua mudança, os aspectos que a fizeram largar o Brasil e dicas para quem quer embarcar nesta nova jornada fora.

Confira abaixo o vídeo da nossa entrevista:

Se preferir a leitura, sem problemas, abaixo todo o conteúdo e links da nossa conversa.

A VIDA ANTES DA MUDANÇA

Mic conta que ela é Jornalista e Daniel, seu marido, trabalhava com inovação digital como consultor independente.

No Brasil, ela explica que sempre levou uma vida de classe média, com seus filhos, Júlia e Rafael, estudando em uma escola particular e morando em condomínios fechados.

“Eu tinha aquela vida bem classe média brasileira, que se mata de trabalhar para tentar manter um padrão que é meio irreal.”

Mesmo querendo dar mais liberdade para seus filhos, Mic diz que ficava com medo de deixá-los saírem sozinhos por conta da violência no país.

Se quiser saber como foi a adaptação de seus dois filhos adolescentes em Portugal, clique aqui!

A ESCOLHA POR PORTUGAL

CIDADANIA PORTUGUESA

Mic conta que escolheu Lisboa por ser cidadã portuguesa.

Ela diz que tirou a cidadania há bastante tempo e, nesta época, não tinha a menor intenção de sair do Brasil. Sua motivação era que o Rafael e a Júlia tivessem facilidade para fazer um intercâmbio fora quando fossem mais velhos.

“Eu tirei quando estava grávida da Júlia, pensando neles quando fossem para uma faculdade, intercâmbio ou alguma coisa assim”.

Mic explica, que seus planos sempre foram ficar no Brasil e criar seus filhos mais conscientes a respeito da realidade do país.

Porém, ela percebeu que esse processo seria muito demorado e que a integridade física de sua família estava sendo afetada.

“Percebi que é preciso muitas gerações para algo mudar.”

Morar em Portugal significa reduzir custos

FATOR CULTURAL

Mic conta que, para ela e Daniel, a cultura do consumismo no Brasil não era a que eles gostariam de passar para seus filhos.

“Onde se da mais importância ao ‘ter’ do que ao ‘ser’.”

Segundo ela, ir para Europa era uma oportunidade de tentar reverter um pouco esse caminho que as crianças já seguiam naturalmente.

CUSTOS

Apesar de todas as motivações anteriores terem sido importantes para que a família fosse para Portugal, Mic explica que, ironicamente, o motivo principal da mudança era reduzir custos.

Ela relata que, em seu último ano morando no Brasil, começou a ficar preocupada quando realizou que a renda da família estava caindo bastante e, em contra partida, os gastos estavam subindo na mesma proporção.

“Nossa renda estava caindo muito, o custo de vida estava subindo loucamente, o Brasil estava mergulhando em mais uma crise econômica piorada por uma crise política… a gente começou a ficar meio alarmado.”

Ela explica que, se tivesse continuado por lá, teria que fazer algum tipo de mudança em seu padrão. Porque, do jeito que estava, tirando dinheiro de suas economias, não ia dar para segurar por muito tempo.

“Ironicamente, a gente veio morar na Europa para reduzir custos.”

Morar em Portugal significa reduzir custos

MORAR EM PORTUGAL SIGNIFICA REDUZIR CUSTOS

Mic relata que muitas pessoas acham que ela está “cheia da grana” porque mora na Europa. Porém, ela mostra que, hoje, gasta muito menos do que gastava no Brasil.

Morando em Portugal, ela explica que eliminou o “Custo Brasil”. Ou seja:

  • Escola particular para 2 crianças;
  • Transporte;
  • Livro e material escolar;
  • Plano de saúde particular para 4 pessoas.

“Tirou isso, você tirou 10 mil reais.”

Ela conta que, por lá, os produtos e serviços de primeira necessidade são subsidiados pelo governo (como educação e saúde) ou são mais acessíveis aos consumidores (como o valor dos alimentos básicos).

O que não está dentro deste seguimento, ela relata que é caro. Porém, diz que acha mais do que justo, pois, o que a família realmente precisa, está sendo financiado pelo que pagam de impostos.

EDUCAÇÃO

Mic conta que eles não têm gastos com a escola.

“Eu não pago nada de escola, nem matrícula e nem nada.”

Segundo ela, em Portugal a educação é obrigatória e de qualidade.

Caso a criança ou adolescente não estejam matriculados ou não apareçam nas aulas por mais três dias, os pais precisam se justificar no Ministério da Educação.

Lugar de criança é na escola

Para saber como ela escolheu onde seus filhos iam estudar em Portugal, Clique aqui!

SAÚDE

Mic explica que, agora, a família está usando o plano de saúde que foi disponibilizado pela empresa em que Daniel começou a trabalhar. Mas, durante 8 meses, eles utilizaram os serviços públicos de saúde.

Ela conta que precisou ir ao hospital, pois a Julia ficou resfriada e o Rafael sentiu dor de estômago. Nestas duas vezes, ela relata que gostou do atendimento.

“Usei e tive uma experiência boa.”

Segundo Mic, o sistema de saúde público de Portugal funciona da seguinte forma:

  • crianças até 17 anos não pagam nada.
  • adultos pagam apenas uma co-participação – as consultas no centro de saúde são 4 euros.
  • os remédios são muito baratos por serem subsidiados pelo governo.

Ela conta que a Júlia já tomou, gratuitamente, a primeira dose de HPV. E diz que o centro de saúde já ligou para lembrá-la que em alguns dias ela precisará retornar para tomar a segunda dose, que também será gratuita.

ALIMENTAÇÃO

Mic explica que a alimentação básica é muito barata e dá para comer bem sem pagar muito por isso.

Ela relata que gasta em média 400 euros por mês em compras para sua família, que é composta por quatro pessoas. E, apesar de achar que pagava mais ou menos isso no Brasil, diz que a qualidade da sua alimentação melhorou consideravelmente.

Mic fala, ainda, que esse valor é baseado em sua realidade. E diz que, em geral, a média de gastos dos portugueses com mercado é bem menor.

“Se você for falar para um português, classe média, que você gasta 400 euros no mercado, eles vão falar: Mas como ‘o pá’? O salário mínimo é 580 euros.”

Mic diz que, hoje, entende melhor a cultura portuguesa. E, fala que, por lá, eles só compram o que realmente precisam e vão consumir, sem desperdícios.

Morar em Portugal significa reduzir custos

RESQUICIOS DA CRISE

Mic explica que Portugal ainda está vivendo uma crise.

Segundo ela, os portugueses ainda estão muito magoados com tudo que aconteceu nos últimos dez anos. Onde:

  • muitas carreiras foram congeladas;
  • a desigualdade aumentou;
  • houve corte de recursos básicos;

Para Mic, apesar da economia estar mostrando sinais de melhoras, comparando com países como a Suécia e a Dinamarca, eles sentem que ainda tem muito o que melhorar.

“A gente, que compara com o que a gente têm no Brasil, acha tudo muito bom.”

QUALIDADE DE VIDA EM PORTUGAL

Mic explica que, em comparação com o Brasil, ela sente que Portugal tem menos oportunidades de emprego porém uma melhor qualidade de vida.

Para ela, que é Jornalista, diz que em Portugal há menos jornais, editoras e agências. Mas, relata que não sente a necessidade de ter que trabalhar loucamente, como fazia no Brasil, para dar o mínimo para sua família.

No Brasil, muitas vezes, é preciso ter mais de um emprego ou fazer hora extra para pagar a educação e a saúde de toda a família.

Já em Portugal, é possível trabalhar de forma equilibrada, pois o mínimo (segurança, saúde e educação) já é subsidiado pelo governo através dos impostos.

“E é isso que me magoa no Brasil”

Morar em Portugal significa reduzir custos

A Mic conquistou uma melhor qualidade de vida e, ainda por cima, reduziu seus custos.
E você? Já pensou em fazer o mesmo?

Gostou da entrevista? Então, fica de olho no Bora Morar Fora porque vem muito mais novidade por aí! Vai lá, curta nossa página do Bora Morar Fora no Facebook e se inscrever no Canal do Youtube para ser avisado assim que as novidades saírem. =)

E não se esqueça! Eu ainda ofereço um e-book GRATUITO sobre
“Os 7 maiores mitos que te impedem de ir morar fora“, clique aqui para baixar o seu.


Se identificou com a Mic? Abaixo todos os links para suas redes sociais:


:: Artigo escrito em colaboração com Wéverton Rodrigues ::

Tags:    

«
»

what do you think?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *