TOP
Irlanda

“PROCESSO PARA ESTUDAR NA IRLANDA 🛩🇮🇪”

Processo para estudar na Irlanda

O bate-papo de hoje é com a Karen Sardenha que, há 11 meses, saiu do Brasil e foi morar em Dublin. Hoje, ela conta “tim tim” por “tim tim” como foi o seu processo para ir estudar na Irlanda e o que você precisa e irá enfrentar se fizer o mesmo.

Confira abaixo o vídeo da nossa entrevista sobre o processo para ir estudar na Irlanda:

Se preferir a leitura, abaixo todo o conteúdo e links da nossa conversa.

 

VIDA ANTES DE MORAR NA IRLANDA

Karen conta que é engenheira de produção e, no Brasil, estava trabalhando há 11 anos na mesma empresa, mas com poucas oportunidades por não ter inglês fluente.

Ela, que tinha 31 anos, pensava que já havia passado da idade de fazer intercâmbio. Porém, explica que alguns acontecimentos a motivaram a iniciar essa jornada:

  • Ficou solteira;
  • O cenário da empresa e do Brasil mudaram;
  • Sua avó, a qual era muito apegada, faleceu.

Karen conta que nunca descartou a ideia de morar fora pois sabia que isso poderia ajudá-la no futuro.

Para ela, era uma oportunidade de ir morar de vez no exterior ou, se tivesse que retornar, teria um inglês muito melhor para se realocar no mercado de trabalho.

Eu pensei: de repente eu posso ter novas oportunidades no exterior ou, se eu voltar, eu terei o inglês.”

Com o pensamento de que viveria uma experiência incrível, a engenheira começou suas pesquisas para encontrar um país ideal para essa nova jornada.

 

POR QUE DECIDIU MORAR NA IRLANDA?

Karen conta que não estava sozinha nesta mudança. Sua melhor amiga, Aline, se uniu a ela neste processo.

“Eu fui muito agraciada, pois muitas pessoas enfrentam tudo sozinhas e eu vim com a minha melhor amiga.”

Segundo Karen, sua primeira opção era morar na Austrália devido a sua irmã ter feito um intercâmbio para lá. No entanto, ela explica que Aline preferia a Europa por ser mais fácil de viajar e conhecer novos países.

Apesar de não conhecer nada sobre o continente, ela conta que coincidentemente havia um amigo morando na Irlanda, que a ajudou a entender melhor sobre o país e sua burocracia.

“Ele começou a me contar tudo… Nossa! Me apaixonei por Dublin, vou para lá.”

PROCESSO ANTES DE TIRAR O VISTO

Karen explica que o visto de estudo não é concedido no Brasil.

No entanto, se o seu objetivo é estudar por lá, assim que você chegar na Irlanda será necessário apresentar os seguintes documentos para o departamento de imigração:

  • a matrícula para o curso de inglês de 25 semanas de duração;
  • a passagem de retorno ao Brasil;
  • local onde irá se hospedar – mesmo que seja provisório;
  • comprovação de que você tem 3mil euros para se manter no período do estudo.

“Eu não sei de nenhum caso de uma pessoa que veio pela primeira vez para estudar que tenha sido barrado pela imigração, então o processo é bem tranquilo.”

TIRANDO O VISTO GNIB PARA ESTUDAR NA IRLANDA

Karen explica que, após passar pela imigração no aeroporto, é preciso ir a escola pegar uma carta atualizada comprovando seu vinculo com a instituição.

Apenas com a carta em mãos é possível dar entrada no processo de visto GNIB. O qual, ela relata que tem sido bastante requisitado devido a quantidade de estudantes imigrantes no país.

Karen indica fazer o agendamento ainda do Brasil e para a partir da sua segunda semana na Irlanda – para dar tempo de pegar a carta na escola.

“Não adianta nada ir ao processo de visto sem a carta da escola”.

Ela conta que, hoje, o valor do visto está em torno de EUR 300.

FACILIDADES TECNOLÓGICAS

Segundo Karen, é preciso fazer o agendamento pelo site da imigração.

Devido a demanda de estudantes indo para Irlanda, o site está bem concorrido. Por isso, é necessário entrar todos os dias para ver se abriu alguma vaga.

Para facilitar nossa vida, um brasileiro criou um aplicativo que informa assim que abre uma vaga no período desejado chamado “GNIB Ireland”.

Hoje, o aplicativo só funciona para Android, mas já vem ajudando bastante gente.

O QUE ACONTECE SE NÃO CONSEGUIR AGENDAR LOGO O VISTO?

Karen explica que já estando com a escola paga aguardando o agendamento é possível estudar sem problemas.

Porém, para começar a trabalhar é mais complicado, pois é preciso o PPS, que você só consegue fazer após retirar o GNIB.

O PPS (Personal Public Service) é o equivalente ao nosso CPF no Brasil. E, é só com ele que é possível arranjar emprego formal.

Segundo Karen, sem o GNIB, você pode ter também dificuldade para viajar para outros países neste período. Ela explica que a imigração pode fazer vista grossa quando você retornar ao país.

 

A MUDANÇA

Karen diz que a vida na Irlanda é bem diferente da que ela tinha.

Ela explica que, no Brasil, levava uma vida um pouco irreal. Onde, trabalhava muito e tinha pouco tempo livre para fazer o que realmente gostava.

Hoje, apesar de viver com menos “regalias” do que tinha no Brasil, ela relata que é uma vida muito recompensadora principalmente por conta da segurança.

DIFICULDADES

Karen conta que logo no início teve algumas dificuldades, mas que foram apenas um período de adaptação.

SAUDADES DO BRASIL

Ela conta que na primeira semana “bateu” aquela saudade de Brasil.

A engenheira explica que saiu da empresa que trabalhava há onze anos apenas uma semana antes de ir estudar na Irlanda.

Em pouquíssimo tempo, seu estilo de vida mudou por completo e ela precisou se adaptar a nova rotina que era bem diferente da que levava.

“Logo no início você já começa aquele processo de desapego.”

ALUGANDO UM APÊ PARA FICAR

Karen conta que uma das maiores dificuldades deste processo é conseguir um local legal para morar.

No início, ela, que morava sozinha no Brasil, teve que dividir um quarto com outras três meninas.

“Era um quarto com duas beliches.”

Segundo Karen, devido a burocracia do processo, dificilmente você consegue uma casa para morar sozinho.

Hoje, ela relata que divide um quarto apenas com sua amiga e paga 410 euros por isso, com todas as contas inclusas.

DESAPEGO DO CARRO

Outra adaptação difícil para ela foi desapegar do carro e voltar a fazer tudo a pé ou de ônibus.

Porém, ela relata que foi apenas um período de adaptação.

Karen explica que, hoje, se sente muito feliz por não precisar de carro para tudo e poder andar em segurança até tarde da noite na rua.

Apesar de já ter ouvido alguns relatos de pessoas que tiveram a carteira e o celular furtados, ela explica que nada é igual a violência do Brasil.

“Comparado com o Brasil, que você sai na rua e te apontam uma arma na cara, é muito seguro.”


EMPREGO E SALÁRIO

Karen conta que conseguiu seu primeiro emprego depois de três meses morando por lá.

“Agora, as pessoas estão conseguindo emprego mais rápido, mas em média demora uns dois meses para conseguir.”

Ela relata que a comunidade de brasileiros morando em Dublin é muito grande e todos se ajudam. E, foi desta forma que conseguiu arrumar um local para trabalhar.

Segundo Karen, ela entrou em um grupo no facebook de brasileiras na Irlanda chamado “Calcinhas in Ireland“. Neste grupo, uma das meninas informou que havia uma família precisando de uma “childminder, que é um trabalho similar ao de uma babá.

Ela, então, foi fazer a entrevista e conseguiu o emprego.

“As crianças que me escolheram.”

Para complementar sua renda e suas 20h de trabalho semanais, ela conta que conseguiu um outro emprego como “cleanner através de uma agencia indicada por um amigo brasileiro que mora por lá.

Em relação ao salário, Karen conta que a faixa é EUR €10,05 a hora. Ou seja, para estudantes que podem trabalhar 20h semanais, a renda total é de 804 euros mensais.

 

CUSTO DE VIDA

Abaixo, Karen relata alguns dos seus principais custos para morar na Irlanda:

  • Aluguel apartamento: EUR €410
  • Transporte – ônibus: EUR €80
  • Celular com internet ilimitada: EUR €20

 

RENOVANDO O VISTO

Karen conta que está muito feliz com a nova vida e não pretende voltar para o Brasil tão cedo.

Ela, que já completou seus 6 meses de curso e 2 meses de férias, já está aplicando para renovação e conta que para este processo é preciso apenas:

  • fazer a matrícula para o curso de inglês de 25 semanas de duração;
  • apresentar a carta de saída da escola anterior, que ateste que você teve pelo menos 85% de frequência;
  • agendar a entrevista para o visto GNIB.

Segundo Karen, é possível renovar o visto duas vezes, depois disto, para quem pretende ficar por lá, uma opção seria fazer uma faculdade ou especialização no país.

Para quem está pensando em seguir com esta opção, ela explica que o valor é bem maior do que o curso de inglês, podendo chegar ao dobro.

 

DICA PARA QUEM ESTÁ INDO ESTUDAR NA IRLANDA HOJE

Como dica, ela fala para evitar levar uma mala cheia de roupas.

“Eu trouxe um salto e só ocupou espaço na minha mala”

Ela relata que levou duas malas cheias e, hoje, percebe que poderia ter economizado espaço. Pois há lojas muito baratas pela Irlanda e com artigos de qualidade.

Karen está realizada e não pensa em voltar para o Brasil. E você? Já pensou em estudar na Irlanda?

Gostou da entrevista? Então, fica de olho no Bora Morar Fora, pois muitas novidades vão vir por aí. Vai lá, curta a nossa página do Bora Morar Fora no Facebook e se inscrever no Canal do Youtube para ser avisado sempre que as novidades saírem. =)

E não se esqueça! Eu ainda ofereço um e-book GRATUITO sobre “Os 7 maiores mitos que te impedem de ir morar fora“, clique aqui para baixar o seu.


Se identificou com a Karen? Abaixo todos os links para suas redes sociais:


:: Artigo escrito em colaboração com Dieverson Colombo ::

Tags:   

«
»

what do you think?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *